segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

Almeida Prado


José Antônio Rezende de Almeida Prado (Santos, 8 de fevereiro de 1943 — São Paulo, 21 de novembro de 2010) foi um compositor e pianista brasileiro, membro da Academia Brasileira de Música, considerado um dos maiores expoentes da música erudita no Brasil.
Estudou no Brasil com Dinorá de Carvalho (piano), Osvaldo Lacerda (harmonia) e Camargo Guarnieri (composição).


Após conquistar o primeiro prêmio no "I Festival de Música da Guanabara" em 1969, pela cantata "Pequenos Funerais Cantantes", sobre um texto de sua prima, a poeta Hilda Hilst, prosseguiu seus estudos na Europa. Estudou com Nadia Boulangere Olivier Messiaen em Paris entre 1970 e 1973, além de uma breve permanência em Darmstadt para estudar com György Ligeti eLukas Foss.

Voltou para o Brasil em 1974, assumindo o cargo de professor no "Conservatório Municipal de Cubatão". Pouco tempo depois foi contratado pelo então reitor da Unicamp,Zeferino Vaz, para ser professor do curso de música do Instituto de Artes da universidade, na qual lecionou por 25 anos, até sua aposentadoria em 2000.


Também em 2000, por encomenda do Ministério da Cultura, compôs a obra Cartas Celestes n°8 para violino e orquestra, em comemoração dos 500 anos da Descoberta do Brasil.

Em 2010 residia em São Paulo, onde ministrava alguns cursos de análise musical e cursos sobre sua obra, além de apresentar um programa de música contemporânea, Kaleidoscópio, na rádio Cultura FM.

O compositor e pianista tinha uma saúde frágil, em decorrência de diabetes. Foi internado em um hospital de São Paulo, depois de sofrer uma parada cardiorrespiratória. Faleceu dez dias depois, na manhã de 21 de novembro de 2010, aos 67 anos de idade, vítima de um edema pulmonar agudo.


Obra parcial
  • Música orquestral: Cidade de São Paulo (1981); Sinfonia dos orixás (1985-86); Sinfonia Apocalipse (1987); Variações concertantes para marimba, vibrafone e cordas(1984); Concert Fribourgeois (1985) e Concerto para piano e orquestra (1983).
  • Música coral: Ritual para a Sexta-feira Santa para coro e orquestra (1966); Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Marcos (1967); Pequenos funerais cantantes para coro, solistas, orquestra (1969); Carta de Patmo para coro, solista e orquestra (1971); Thèrèse ou l’Amour de Dieu para coro e orquestra (1986); Cantata Bárbara Heliodora para solistas, coro misto e orquestra de câmara (1987); Cantata Adonay Roi Loeçar para solistas, coro e orquestra de câmara.
  • Música instrumental: Sonata para violoncelo (1980); Três Sonatas para violino e piano; Sonata para viola e piano (1983); Réquiem para a paz (1985); Sonata para flauta e piano (1986); Trio marítimo para violino, viola e piano (1983); Livro mágico de Xangô para violino e violoncelo (1984); Livro Sonoro, para quarteto de cordas (1975).
  • Música para piano: Cartas Celestes (1974, 1982-83, 1985), considerada uma das grandes obras pianísticas do século XX; Sonatas; Noturnos; Prelúdios; Momentos;Rios; Ilhas; Itinerário idílico e amoroso ou Livro de Helenice (1976); Rosário de Medjugorje (1987); Três Croquis de Israel (1989); Quinze Flashes de Jerusalém (1989). Outras obras, como Dezesseis Poesilúdios para piano (1983-1985).


Ao todo, Almeida Prado criou mais de 300 obras, parte das quais foi publicada pela editora alemã Tonos Musikverlags.

FONTE

https://pt.wikipedia.org/wiki/Jos%C3%A9_Ant%C3%B4nio_Rezende_de_Almeida_Prado

sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

Nancy Wilson



Nancy Lamoureux Wilson (San Francisco, Califórnia, 16 de março de 1954) é uma cantora norte-americana. A irmã mais velha Ann e Nancy formaram a banda, Heart (Seattle).

Uma das composições (Elevator Beat) fez parte da trilha sonora do filme Vanilla Sky (2001), estrelado por Tom Cruise e Penélope Cruz.

Elevator Beat

Nancy Wilson foi casada com o cineasta do filme Cameron Crowe de 1986 a 2010.


Um marco na carreira de Nancy foi a interpretação da música Stairway to Heaven, na homenagem ao Led Zeppelin no Kennedy Center Honors, em dezembro de 2012, juntamente com Ann Wilson.

Stairway to Heaven

A bateria ficou por conta de Jason Bonham, filho do falecido baterista da banda, John Bonham. Esta apresentação foi um dos grandes momentos do tributo. Robert Plant e Jimmy Page ficaram com os olhos marejados de lágrimas. John Paul Jones, também integrante Led Zeppelin que já produziu um álbum dos Heart, também estava lá com os dois primeiros com cara de chorão. A mamãe Wilson, também compôs a galeria de honra com os ex-Leds.


Oito de novembro de 1971. Esta é a data em que o LED ZEPPELIN lançou o álbum Led Zeppelin IV e um disco promocional para as rádios FM daquele tempo com uma canção que se tornaria o hit mais tocado em rádios do mundo inteiro, "Stairway To Heaven".

Heart - Crazy On You




fonte

https://pt.wikipedia.org/wiki/Nancy_Wilson

sábado, 5 de janeiro de 2013

Emanuelle Araújo


Emanuelle Araújo (Salvador, 21 de julho de 1976) é uma cantora e atriz brasileira. Emanuelle começou sua carreira aos dez anos fazendo teatro com a Companhia Interarte. Em 1993, aos 17 anos, engravidou e teve sua filha, a menina Bruna. Após cursar dois anos de biologia na Universidade Federal da Bahia e mais dois de artes cênicas, a oportunidade de Emanuelle apareceu em 1999 ao substituir a cantora Ivete Sangalo na Banda Eva. Durante esse período, a cantora foi garota propaganda de uma rede de lojas da Bahia e trabalhou como repórter num documentário sobre o Carnaval de Salvador. Recebeu o prêmio de cantora revelaçao do carnaval de Salvador do ano 2000.


Gravou junto com Luís Caldas Prefixo de verão homenageando os 15 anos de axé Music.

Lançou em 1999 o CD ao vivo Parte 2 aonde a Banda Eva lançava grandes sucessos da banda que ficaram de fora do primeiro ao vivo que tinha Ivete Sangalo em seus vocais. A divulgação do CD foi enorme por todo Brasil, sucesso de vendas e de criticas.


No ano seguinte em 2000 a Banda Eva aposta em um CD diferenciado com batidas Pop e levadas românticas com composições de grandes compositores baianos como Jaupery,Carlinhos Brown e Pierre Onasis.

Com a Banda Eva Emanuelle participou de grandes festivais como o de Montreux, Festival de Verão de Salvador por 3 anos consecutivos e em festivais de vários outros países como Alemanha, Hungria, Itália e Portugal.


Puxou grandes Blocos no carnaval de Salvador entre eles o tradicional Bloco Eva, NU Outro Eva e A barca.

Em 2002, Emanuelle deixou a Banda Eva parar seguir carreira em uma banda de pop rock, passando os vocais da banda para o cantor Saulo Fernandes.

Em 2007, a cantora fez seu primeiro trabalho na TV, como Clotilda, na novela Pé na Jaca. No mesmo ano, ganhou destaque ao interpretar Rosa, protagonista do filme Ó Paí, Ó ao lado do ator Lázaro Ramos.


Em 2008, Emanuelle entrou para o elenco da novela A Favorita, interpretando a garota de programa Manu. Sua personagem, no começo da trama, não tinha grandes participações, porém acabou surpreendendo e ganhando destaque entrando para o time principal de atores onde roda a novela.

Atualmente a Emanuelle canta junto com a a banda Moinho, da qual fazem parte a percussionista Lan Lan e o guitarrista Toni Costa. O primeiro single da cantora, Esnoba, foi lançado em 2007 e entrou para a trilha sonora da novela Beleza Pura, tema da personagem Rakelly, interpretada por Ísis Valverde.


Em 2009, participou da fase final da novela das 19h Três Irmãs, da Rede Globo. Na Trama, interpretou a personagem Soninha Rainha, uma cantora de axé que era ex namorada de Greg (Rodrigo Hilbert), que, a esta altura, já estava casado com Alma (Giovana Antonelli).

Ainda em 2009, Emanuelle participou do quadro Dança dos Famosos, na atração global Domingão do Faustão. A cantora destacou-se em suas apresentações, chegando inclusive às fases semifinais da competição. No entanto, ela e seu partner, o professor de dança Marcelo Chocolate, acabaram eliminados em 14 de junho.

Em 2009/2010, Emanuelle participou da novela das seis Cama de Gato, incorporando a personagem Heloísa, a secretaria e capanga da vilã Veronica vivida por Paola Oliveira.

Em 2011 viveu Florinda em Cordel Encantado, no ano seguinte participou dos seriados As Brasileiras e Louco por Elas e do remake Gabriela.



fonte

http://pt.wikipedia.org/wiki/Emanuelle_Ara%C3%BAjo

sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

Roberto Müller



José Ribamar da Silva, mais conhecido como Roberto Müller (Piracuruca, 17 de fevereiro de 1937) é um cantor brasileiro.



Em 1955, iniciava sua carreira artística na Rádio Timbira de São Luís do Maranhão.

Em 1958 desembarcou no Rio de janeiro para cantar nas noites, principalmente em locais preferidos dos boêmios como Cabaré Brasil, na antiga Lapa, Dancing Avenida, Boite Balalaika e Dancing Brasil. Em 1960 gravou um 78 rotações para a Columbia.

No Rio de Janeiro, em 1963, gravou Nunca Mais Brigarei Contigo. Tem um público fiel que o denominou "o romântico pingo de ouro do Brasil".

A partir de então, Muller tornou-se presença obrigatória nos programas de televisão. Finalmente, depois de se apresentar na "discoteca do chacrinha", na extinta TV Tupi, ganhou o título de "Pingo de ouro do Brasil" do próprio Abelardo Barbosa.



Em 2010, o cantor Roberto Muller, 73 anos, teve alta do hospital da Restauração, em Recife (PE), e brinca com o AVC que sofreu recentemente: “Não foi desta vez, apesar de livros afirmarem que eu já morri”. Internado há cerca de dois meses, Roberto Muller, conta no Cidadeverde.com como passou mal e a internação.
“Eu estava assobiando, indo para o banheiro quando sentir tudo escurecer e cai de cabeça. Acordei estava no hospital”, conta Roberto Muller que tem mais de 50 anos de carreira e segundo ele foi à primeira vez que entrou em um hospital.

Já em casa em Recife, o cantor diz que está fazendo fisioterapia na perna, após sequelas do AVC.

“Eu estou bem. Acredito que em 60 dias estarei restabelecido para fazer shows. Eu não entortei a cara, a voz não mudou e só tive problema com a perna direita”, disse por telefone ao Cidadeverde.com.

Com 50 LPs e 18 CDs lançados pela gravadora Sony & BMG, o artista de Piracuruca destaca como sendo seus “hits” as baladas românticas “Entre espumas”, “Sofro por ti” e “Nunca mais brigarei contigo”.
 

 ERRO EM LIVRO DIDÁTICO
 
Ídolo popular nordestino há cinco décadas, o cantor piauiense Roberto Müller, de 70 anos, descobriu uma triste notícia nas páginas de um livro didático: ele “morreu ainda jovem e é lembrado com carinho pela sua contribuição à arte”. Müller foi “morto” na página 14 do livro “Educação sem fronteiras”, um especial sobre arte popular lançado em 2002 pelo governo do Piauí.

“Você ligou no meu celular, correto? Se você tivesse ido ao centro espírita para me entrevistar, daí eu poderia começar a pensar na idéia de que já morri!”, desabafou o artista ao G1 em tom de ironia.

O cantor descobriu a falsa informação quando um fã lhe mostrou o livro durante um show em uma churrascaria em Teresina, no qual estava sendo homenageado pelos seus 50 anos de carreira. “Há uns tempos eu havia notado que minha média de shows tinha caído. Eu vivia com a agenda cheia e de repente caíram para dez apresentações por mês”, explica Muller, que está processando o governo do Piauí por danos morais.

O artista e seu advogado Marcos Vinícius Furtado ainda calculam o valor da indenização que pretendem pedir na Justiça. “É muito difícil chegar a um valor. Imagine a quantidade de shows que perdi nos últimos cinco anos porque pensavam que eu tinha passado para o outro lado?”, questiona o cantor.

Roberto Müller - o artista de Piracuruca – cujo visual lembra uma mistura do personagem Sinhozinho Malta com o cantor Amado Batista – destaca como sendo seus “hits” as baladas românticas “Entre espumas”, “Sofro por ti” e “Nunca mais brigarei contigo”.

Müller espera ao menos receber uma retratação por parte do governo do Estado. “Quando liguei na Secretaria da Educação reclamando desse absurdo, eles mandaram uma edição do livro na minha casa. E com a notícia da minha morte!”, revolta-se.

Ele recorda com carinho que começou sua carreira em São Luís, à época em que, além do apoio de Ribamar Bogéa, recebeu também o incentivo de grandes nomes da Rádio Timbira, como Orlandira Matos, Conceição de Oliveira, Laura Salazar, Nina de Holanda, Nilton Vieira e Ribamar Fernandes.

         Em nota, a secretaria da Educação do Piauí informou que “assim que tomou conhecimento do fato reuniu os autores da obra para tomarem as devidas providências e corrigir o erro”. “Nota nenhuma vai recuperar os shows que eu perdi e muito menos o constragimento por eles terem me matado antes da hora”, afirma Müller.

Indenização

Muller lembrou ainda que não abre mão da indenização contra a Secretaria Estadual de Educação que publicou livro didático afirmando que ele já estaria morto.


Ele disse que o seu advogado está cuidando da ação e aguarda uma posição da justiça do Piauí.
 
 
Em 2011, na terceira reportagem da série “O Clube dos Corações Partidos”, a jornalista Fabiana Moraes do Jornal do Commercio, entrevistou  cantor Roberto Muller, o “pingo de ouro do Brasil”. http://radiojornal.ne10.uol.com.br/2011/12/27/roberto-muller-e-o-3%C2%BA-perfil-da-serie-sobre-romanticos
 

FONTE

http://pt.wikipedia.org/wiki/Roberto_M%C3%BCller

http://radiojornal.ne10.uol.com.br/2011/12/27/roberto-muller-e-o-3%C2%BA-perfil-da-serie-sobre-romanticos/

http://g1.globo.com/Noticias/PopArte/0,,MUL165228-7084,00.html