Perfil

Minha foto
Brazil
"Acho que finalmente me dei conta que o que você faz com a sua vida é somente metade da equação. A outra metade, a metade mais importante na verdade, é com quem está quando está fazendo isso."

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Confraria da Bazófia


Confraria da Bazófia, banda formada em 1993, gravou três CDs, sendo dois autorais e um em homenagem ao compositor Gordurinha, lançado pela Warner.

Apresentando um repertório predominantemente autoral, de quatro cantores/compositores que não têm submetido suas criações à massificação proposta pela indústria fonográfica, a Confraria da Bazófia sugere, como proposta estética, a integração de linguagens sonoras contemporâneas e poesia, com letras instigantes, muitas vezes retratando o cotidiano de desigualdade social do brasileiro, às vezes fazendo uso da interpretação jocosa e/ou da performance.

A banda já gravou "Capte o Toque", um CD viabilizado pelo Prêmio Copene de Cultura & Arte e considerado pelo Jornal A TARDE como um dos cinco melhores do ano de 98.





ComScore
No ano seguinte, o grupo foi convidado para compor o elenco do disco A Confraria do Gordurinha, em conjunto com Gilberto Gil e Marta Millani, lançado pela Warner Campbell. Vários intérpretes relêem sucessos de Gordurinha, um dos maiores compositores do forró, com direito a Baianada, Chiclete Com Banana, O Vendedor de Biscoito, Súplica Cearense, Praça do Ferreira e Trem da Central.

Faixas

1 Baianada
(Carlos Diniz, Gordurinha)
2 Pot-pourri:
Chiclete com banana (Gordurinha-Almira Castilho)
Vendedor de caranguejo (Gordurinha)
3 É um calo só
(Gordurinha)
4 Oróra analfabeta
(Nascimento Gomes, Gordurinha)
5 Praça do Ferreira
(Nelinho, Gordurinha)
6 Pedido a Padre Cícero
(Gordurinha)
7 Súplica cearense
(Nelinho, Gordurinha)
8 Poema dos cabelos brancos
(Gordurinha)
9 O problema é seu
(Gordurinha)
10 Meu amigo Oliveira
(Gordurinha)
11 Trem da central
(Mary Monteiro, Gordurinha)
12 O vendedor de biscoito
(Nelinho, Gordurinha)
13 Caixa alta em Paris
(Gordurinha)
14 Pot-pourri :
Baiano não é palhaço (Gordurinha)
Baiano burro nasce morto (Gordurinha)

Dentre outras coletâneas, eles estão nos trabalhos Grão e Bahia com Todas as Letras, lançados pelo Selo Sons da Bahia, além da participação em shows de Tom Zé, Capinam e Vânia Abreu.

CURIOSIDADES

Arnaldo Almeida, cantor e compositor baiano, iniciou a carreira artística participando de festivais Anos depois, criou a Confraria da Bazófia, juntamente com Jarbas Bittencourt, Tito Bahiense, Ray Gouveia, Jorge Sacramento, Gerson Silva, Leonardo Reis, Humberto Valle, Marcos Amorim e Angelo Rafael.

Quem conhece o repertório da Confraria percebe que suas composições propõem um olhar crítico sobre o contexto político e social em canções como Pelô Pelô e A Moda, selecionadas nos festivais Canta Nordeste e Nova Música Brasileira, da TV Cultura.

Arnaldo já teve composições gravadas pelas intérpretes Clécia Queiroz, Marilda Santana, Márcia Castro e Mônica Albuquerque além da Banda Metáfora.



O compositor retornou ao palcos, em 2010, com a temporada “De 2 em 2 – Para Intérpretes e Afins” realizada no Teatro Gamboa, quando convidou Jarbas Bittencourt, Manuela Rodrigues, Deco Simões e Carlinhos Cor das Águas para, a cada semana, partilharem com o público seus fazeres e pensares musicais.



Este projeto tem continuidade prevista para 2011, de março a dezembro, com uma apresentação mensal, no Espaço Xisto-Salvador.

Atualmente é um dos integrantes do Encontro de Compositores, evento mensal que acontece no Cabaré dos Novos (Teatro Vila Velha) em Salvador, tendo como parceiros os também cantores compositores Jarbas Bittencourt, Manuela Rodrigues, Deco Simões, Pietro, Thiago Kalu, Sandra Simões, Carlinhos Cor da Águas, Dão e Roney Jorge, além de convidados especiais.


FONTE

http://clubecaiubi.ning.com/

http://clubecaiubi.ning.com/profile/ArnaldoAlmeida#ixzz1ZTeDkHzh

cliquemusic

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Tiago Abravanel


O ano de 2010 foi especial para Tiago Abravanel, o ator, cantor e produtor abriu sua própria empresa, Abrava Produções Artísticas, em sociedade com Cintia Abravanel, administradora do Teatro Imprensa, sua mãe. Com a intenção de levar cultura e entretenimento para as pessoas, o primeiro grande projeto foram duas oficinas de teatro, idealizadas por Tiago Abravanel e Rafael Villar, que culminaram em duas montagens apresentadas gratuitamente no Teatro Imprensa: Avoar e Broadway no Divã.


Tiago Abravanel, de 23 anos, viveu o papel título de "Tim Maia — Vale tudo, o musical", que estreiou sexta-feira, no Teatro Carlos Gomes. O timbre de voz e os quase 120kg o ajudaram a vencer outros quinze candidatos na seleção comandada por Nelson Motta, autor da peça, e João Fonseca, o diretor.

Tim cantava com muita alma. Tento colocar o mesmo em tudo o que faço. O fato de eu ser gordo pode me favorecer para fazer determinados personagens — diz ele, que muito antes de ser selecionado soltava a voz em "Azul da cor do mar", sucesso de Tim, em festas de amigos: — A letra é de uma profundidade, fala para o mundo das coisas em que você acredita.


Para cantar 25 hits de Tim e contar em duas horas e meia seus 55 anos de vida, Tiago saiu de "Amor e revolução", do SBT, em que vivia o guerrilheiro Davi. Precisou adotar uma peruca, muita maquiagem e deixou o bigode crescer.



 

sábado, 24 de setembro de 2011

Diário da Música ♪♫: César Camargo Mariano


Diário da Música ♪♫: César Camargo Mariano: Um dos mais renomados músicos do País, o pianista, compositor, arranjador e produtor Cesar Camargo Mariano tem sua história retratada em livro de memórias pela editora LeYa Brasil. “Solo” chega às livrarias este mês com histórias marcantes dos 50 anos de carreira, dificuldades e conquistas de sua trajetória musical e a importância da dedicação do artista à sua arte.


Permeado de histórias divertidas e dramáticas, de quem viveu e acompanhou intensamente cada momento da música brasileira desde o início da Bossa Nova, “Solo” mostra passagens que marcaram sua vida desde a infância, com amigos, família e ao lado de profissionais e artistas com quem fez história.

Solo” não resgata somente histórias de um dos mais importantes músicos do País, mas também momentos da trajetória da MPB e a paixão e o drama dos bastidores da arte. E pela primeira vez revela outro dom artístico do músico, que ilustrou suas memórias com desenhos feitos a lápis. Uma obra para os apaixonados por música.


"O piano sempre esteve ali na sala, desafiador, misterioso, de dar arrepios. Quando o inquilino caladão Johnny Alf chegou para tocá-lo, as paredes tremeram. Wilson Simonal e Elis Regina, mais tarde, deitaram e dançaram sobre seus timbres. Aos 50 anos de carreira, vivendo nos Estados Unidos com a família, Cesar Camargo Mariano tem cem histórias para cada tecla de seu instrumento. Memórias que lança agora no livro Solo, com três shows no Sesc Vila Mariana e uma exposição de desenhos, tudo interligado. As músicas e as ilustrações foram criadas enquanto ele revivia um passado que, pela primeira vez, decide contar de próprio punho." (continue lendo aqui)

Cesar Camargo Mariano segue a sua agenda de shows “Memórias” e “Piano Solo” por São Paulo, neste mês.


FONTE


Marcela Ferreira

Marcela Ferreira, cantora e compositora, nascida em Americana/SP em 04/07/1997. Criada em Santa Barbara d’Oeste, desde 8 anos de idade Marcela já se dedicava à música com aulas de canto, inglês, violão, teclado e outros instrumentos, tendo como ídolos os cantores: Daniel e Roberto Carlos.

Marcela vem se apresentando em festas e casas de espetáculos de sua cidade e toda região, divulgando seu trabalho em programas de rádio e televisão.

Seu segundo CD, produzido nos estúdios Avalon(SP) por Fátima Leão, traz composições da própria Fátima e de outros compositores...




FONTE

site

Martha Mendonça


A cantora Martha Mendonça (Uberaba, 16 de fevereiro de 1940) surgiu nos anos 60 com a canção Tu Sabes, que vendeu muito e ganhou os principais prêmios da época. Gravou vários discos, alcançando um total de 110 musicas entre LPS, compactos e edições especiais.

O bolero "Tu sabes" foi gravado em 1961 pela Chantecler no 78 rpm que trazia no lado B a guarânia "Voltei meu amor", de Alberto Roy e Tony Freddy.



Em 1964, Marta fez sucesso com a música "Saudade de você", versão de Teixeira Filho para "Kimi Koishi", sucesso no Japão de Frank Nagai. A canção, composta por Hidenori Sakae, foi carro-chefe do terceiro LP da cantora, intitulado "Kimi Koishi", e no qual aparece na capa vestida com kimono. É uma das poucas canções de origem japonesa que obteve sucesso no Brasil, ao lado de "Olhando para o céu" (Sukiyaki), gravada pelo Trio Esperança, "Kokoro no Niji", interpretada pelo grupo Os Incríveis, e "Sayonara", também registrada pelo conjunto e pela cantora e apresentadora Rosa Miyake, todas nos anos 1960.

Em 1965 conheceu o cantor Altemar Dutra e casou-se com ele. Tem dois filhos: Deusa Dutra e Altemar Dutra Júnior.



Em mais de 25 anos de carreira gravou oito discos em 78 rpm e mais seis LPs, sem contar os compactos simples e duplos. O último registro em LP aconteceu em 1987, pela 3M, em disco produzido pelo cantor e compositor Terry Winter (08/05/47 - 23/09/98).

Nesse álbum, gravou composições de autores que na época começavam a se destacar no universo sertanejo, como foram os casos de "Vou buscar você", de Antônio Luis e Elias Muniz, "Dois estranhos", de Joel Marques, "Caminhos", de César Augusto e Antônio Hernandes, "Caminhos da paixão", de Elias Muniz e Antônio Luis, "Esse cara", de Carlos Randall, "Minha maneira de ser", versões de Neil Bernardes para composições de Terry Winter, e "Cantando a esperança", de Eunice Barbosa, Antônio Luis e Billy. Gravou, ainda, nessa época, um compacto simples com as músicas "Tigresa", de Caetano Veloso, e "Sem maquiagem", composição da cantora Vanusa. Nesse período, a artista participou ainda como jurada no Programa do Bolinha, na TV Bandeirantes.

FONTE

wikipédia

Diário da Música ♪♫: Fátima Leão


Diário da Música ♪♫: Fátima Leão - Fátima Leão, famosa por ter músicas gravadas por nomes que são referência no estilo sertanejo, como Zezé di Camargo e Luciano, Bruno e Marrone e Chitãozinho e Xororó, já soma 25 anos de carreira como cantora e compositora. Ela diz cantar o romantismo e as coisas da natureza. Atualmente, além dos shows que faz, Fátima Leão tem um estúdio e uma gravadora em São Paulo.

Depois de ficar 17 anos longe dos palcos, Fátima Leão retomou a carreira de cantora com a música Pecado de Amor e escolheu São Paulo para gravar seu primeiro DVD com a participação de As Galvão, Christian e Cristiano, Edson Cadorini, Franco Levine, Geovany Reis e Fabrício, Guilherme e Santiago, Marcos e Belutti, Laluna e Vinícius, Os meninos de Goiás, Roger e Robson e Rick Sollo...



Aparecida de Fátima Leão nasceu em 2 de novembro de 1955, na cidade de Rio Verde, interior de Goiás. Cantora e compositora, Fátima Leão tem um currículo invejável. Sua carreira teve inicio ainda muito jovem, ela se apresentava em festas e festivais no estado de Goiás.

Enfrentando muitas dificuldades no inicio da carreira, pois as condições financeiras de sua família eram bem ruins. Mas como toda mãe que jamais desampara seus filhos, dona Lazara (mãe de Fátima) vendeu sua máquina de costura para cobrir os custos das viagens da cantora. Dona Lazara não imaginaria que esse primeiro investimento na carreira de sua filha, fosse o pontapé inicial para a trajetória de sucesso de uma das maiores cantoras e compositoras do país.

Com muita garra e determinação ela foi a luta, chegou a limpar o chão de uma escola de música em troca de aulas. Porém sua capacidade e talento eram tão evidentes que em pouco tempo, a mocinha que limpava aquela escola passou a dar aulas particulares, assumindo a responsabilidade financeira de sua família.

Inicialmente ela tinha como objetivo ser uma cantora, divulgar seu trabalho por todo o Brasil e vender muitos discos. Em suas apresentações o que chamava bastante a atenção além de sua voz marcante, era o repertório composto por músicas de sua autoria.

Não demorou muito para que as composições da cantora passassem a ser interpretadas por diversos artistas como: Zezé di Camargo e Luciano, Bruno e Marrone, Mato Grosso e Matias, Elias Muniz, Joel Marques entre outros.

O reconhecimento veio também através de premiações importantes como o prêmio Di Giorgio, Sharp e Canário de Ouro. Ao longo de 20 anos de carreira, seis CD´s lançados e mais de 1700 músicas gravadas, Fátima Leão escreveu seu nome e sua história no cenário da música, com forte presença no estilo sertanejo.


Fátima Leão colocou sua assinatura em canções que fizeram e ainda fazem sucesso nas rádios, nas TVs (tema da novela "Marcas da Paixão", da Rede Record, nas vozes de Gian e Giovani), na telas de cinema ("É Deus por nós", interpretada por Zezé di Camargo e Luciano no filme "Central do Brasil).




FONTE

SENTIMENTO SERTANEJO

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Meire Pavão


A música "Festa de Arromba", de Erasmo e Roberto Carlos diz “apresentando a todo o mundo Meire Pavão”, citando assim Meire uma das principais cantoras da Jovem Guarda.


Meire Pavão - Antônia Maria Pavão (2/6/1948 Taubaté/SP - 31/12/2008). Cantora. Filha do professor de violão, pesquisador de folclore e compositor Teotônio Pavão. Antonia Maria Pavão Fonyat (nome de casada) começou desde menina a tocar violão e aos 11 anos cantou, pela primeira vez no programa “Grande Ginkana Kibon” da TV Record.

As 13 anos já integrava o conjunto vocal Alvorada criado e dirigido por seu pai. O conjunto formado por quatro garotas começou com a gravação de um compacto-duplo pela Fermata (1961).

Em 1963 gravou com o Conjunto Alvorada as músicas "Paraná" e "Cidade sorriso", ambas de autoria de Teotônio Pavão.

Meire permaneceu no referido conjunto vocal até sua extinção em 1964, onde gravou mais cinco discos e se apresentou em dois programas exclusivos que o Alvorada mantinha: aos sábados na TV Record de SP e aos domingos na TV Paraná de Curitiba.

Em 1964 gravou o primeiro disco solo, um compacto simples com "O que é que eu faço do latim?", versão de Teotônio Pavão para a música "Che me ne faccio del latino", de Bertolazzi e Beretta. Essa gravação de Meire com acompanhamento dos Jet Blacks entrou rapidamente nas paradas de sucesso e tornou Meire bastante conhecida.

Depois desse primeiro, ela gravou mais 3 discos até preparar seu LP “A Rainha da Juventude” que foi lançado em 1965 com "Cancei de lhe pedir" e "A mesma praia, o mesmo mar", pela Chantecler.

Meire recebeu esse título porque foi considerada a cantora jovem mais popular de São Paulo pelo programa de TV “Reino da Juventude”(Record), de Antonio Aguillar. O “Rei da Juventude” pelo mesmo concurso foi Roberto Carlos. No mesmo ano apresentou-se com sucesso em programas de TV no Rio de Janeiro.


(versão de 'Taxman', dos Beatles - Meire Pavão acompanhada do conjunto Os Lunáticos - Meire Pavão - Chame um táxi (Taxman, George Harrison, Vrs. Albert Pavão)
Foi nesse início de 1965 que Meire, já considerada a revelação de 1964 pelas revistas “Melodias” e “Revista do Rock”, lançou seu segundo sucesso nas paradas: a versão do sucesso mundial de Petula Clark “Downtown”, que recebeu o nome de “Bem Bom”. Ao mesmo tempo era eleita “Rainha do Twist” ao lado de Jerry Adriani em concurso promovido pela Revista do Rock.


Cantou e gravou várias vezes com o irmão, Albert Pavão, tendo viajado com este no mesmo ano para os EUA, onde gravaram um compacto pelo selo Roulette com as músicas "Piqued head" e "The river of jerere", na verdade versões para o inglês de "Cabeça inchada", de Hervê Cordovil e "De papo pro ar", de Joubert de Carvalho.

Em 1966 estreou na RCA com o compacto simples "Família buscapé" e "Robertinho, meu bem". No mesmo ano gravou pela Polydor "Depois que a banda passou".



No ano seguinte lançou pela RCA o seu segundo LP. No mesmo período atuou na TV Tupi do Rio de Janeiro no programa "O riso mora ao lado". No mesmo canal, apresentou ao lado do cantor Wanderley Cardoso o programa musical "A grande parada".



Em 1969 afastou-se da vida artística, a qual retornou exporadicamente entre 1974 e 1982 participando de gravações de discos infantis Foi quando seu pai e seu irmão Albert começaram a produzir músicas para crianças com historinhas, a maioria em ritmo de rock, que então era uma novidade. É dessa fase LPs como “O Mundo Maravilhoso de Walt Disney” (1975-Sigla), “As mais belas lendas brasileiras” (1976-RCA), “Sítio do Picapau Amarelo” (1976-RGE), “Os 13 Mandamentos da Criança Bacana” (1977-RGE), “A Festa do Bolinha” (1977- RGE), “A Discoteca do Popeye” (RGE- 1979) e outros mais, a maioria com apoio da dupla vocal Vikings e de Thomas Roth. A última gravação de Meire foi no compacto duplo “Chico Bento” da Polygram, em 1982.


FONTE

DICIONÁRIO MPB

sábado, 17 de setembro de 2011

Albert Pavão


Albert Pavão nasceu em São Paulo/SP. Um dos pioneiros do rock brasileiro, o paulista Albert, depois Albert Pavão, irmão de Meire Pavão e filho do maestro Teotônio Pavão.

Gravou seu primeiro 78rpm "Tu e Eu" (You and I)/'Move It', em 1962, com acompanhamento do grupo instrumental The Hits. O compacto assinalou a participação de grupos musicais jovens no acompanhamento, até então feito por orquestras e músicos de estúdio.

É dele a clássica versão de 'Vigésimo Andar (Twenty Flyght Rock, de Eddie Cochran), arranjada pelo maestro Rogério Duprat. Lançada em 1963, com 'Sobre Um Rio Tão Calmo' (Lazy River), no lado b do 78rpm, a música fez grande sucesso nas rádios paulistanas.



Além de gravar, Albert Pavão apresentou-se por todo o Brasil, promovendo o rock and roll e afirmando-se como um dos roqueiros mais radicais de sua geração.

Albert Pavão lançou no final dos anos oitenta o livro 'Rock Brasileiro, 1955-65', resgatando a história da época, com informações e discografias.

Em 1998, sua obra foi reunida no cd 'Antologia do Rock e da Jovem Guarda', organizado por ele, e lançado pelo selo paulista Bruno Discos.

ALBERT PAVÃO - EU VOU AO CINEMA


Albert Pavão mora no Rio de Janeiro e faz palestras pelo Brasil a respeito de músicas, inclusive infantil.

Lobo Mau e os 3 Porquinhos - Albert Pavão


1963 - Albert Pavão - O Bikininho

  • Albert Pavão - Classic Collection
01 - Vigésimo andar (20º Flight Rock) (1963)
02 - Biquininho (1964)
03 - Move It (1962)

04 - Remember Baby (1962)


05 - Lobo mau e os três porquinhos (1965)
06 - All Shoop Up (1962)
07 - Sobre um rio tão calmo (Up a Lazy River) (1963)

08 - I Hate Lies (1962)


09 - Vamos mudar (We're Gonna move) (1962)
10 - Peggy Sue (1962)
11 - Japanese Doll (1964)
12 - A estrada é longa (Rocky Road Blues) (1963)
13 - Garota quadrada (1964)
14 - Meu brôto só pensa em estudar (1964)
15 - A casa da Ení (Heartbreak Hotel) (1963)
16 - Mulher de cabeça dura (Hard Headed Woman) (1964)
17 - Cleópatra, meu amor (1965)
18 - O homem de Virginia (1965)
19 - A garota do meu melhor amigo (1964)
20 - Piqued Head (Cabeça inchada) (1966)
21 - A batalha de Waterloo (1966)
22 - Filhinho do papai (1967)

23 - The River Of Jerere (De papo pro ar)


24 - My Baby (1966)
25 - O príncipe escamado (1975)
26 - Paraiso de amor (1991)
27 - Saudades do Guarujá (1991)
28 - Maldita goteira (1991)

FONTE

POR ONDE ANDA

Léo Belico


Filho de amantes da música, Belico dava os primeiros passos ao lado do pai gaitista e da mãe que tocava muito bem o bandolim em Ponte Nova. Léo no violão e mais nove irmãos e irmãs alegravam os saraus da família. Bancário do Credireal e depois do Banco Mineiro da Produção (posteriormente o Bemge), teve na máquina de escrever a alavanca para uma carreira que começou como office-boy na cidade natal, chegando a contador em Belo Horizonte. Entretanto a burocracia bancária demandava uma válvula de escape para Léo Belico.

Em BH ele encontrou-se com dois conterrâneos, os irmãos Bolívar e Vladimir com os quais formou o Trio Aymoré que apresentava-se no Cassino da Pampulha, nas horas dançantes dos elegantes Iate Clube e Minas Tênis e nos bailes da capital.

Sucesso na cidade, a orquestra do maestro Deley precisou de um crooner e acabou chamando Léo para integrar a equipe. Era o finalzinho da década de 1940 e Belico entrou para o rádio. A Guarani tinha então um dos melhores casts da cidade: Jáder de Oliveira, Delfino Santa Rosa, Rômulo Paes e Orlando Pacheco.

Que emocion que mencionas a Leo Belico. Cuando yo tenia alrededor de 8 años mi mama me llevo a verlo a Radio El Mundo porque yo estaba enamorada de el y me firmo un autografo que todavia lo conservo hasta hoy. Gracias por el recuerdo”, comenta uma quase anônima Marta em um blog argentino. E foi por um capricho do destino que Léo Belico chegou em Buenos Aires.

Um prêmio em uma das festas de final de ano do Banco Mineiro da Produção presenteou o competente contador com uma passagem para a capital portenha. “Eu tinha um dinheirinho guardado que ganhei com a música em Belo Horizonte. Isso permitiria que eu passasse uma semana por lá”, relembra Belico. Uma semana ? Que nada.

Na primeira oportunidade que teve, Léo deu uma “canja” numa casa noturna. Suficiente para ser “descoberto” por um produtor musical da El Mundo que lançou a “bomba” no mercado argentino. Patrocinado pela única filial da elegante loja Harrods fora de Londres, Léo Belico conheceu a fama e a idolatria do rádio nos anos dourados. Também passou por outras duas grandes rádios da época, a Rádio Belgrano e a Splendid. Fez sucesso no cinema, participando de um número musical no filme “Romeo y Julita” (1954 - direção Enrique Carreras).

Léo Belico teve a admiração de Eva Perón e participou de inúmeros shows no território argentino para a fundação social que a toda-poderosa Evita comandava. Uma vez, convidado para noite de gala na Casa Rosada, sede do governo argentino, aproximou-se de um grupo de brasileiros que conversava com o presidente Perón. O líder do grupo fazia um comentário orgulhoso sobre o “nosso” artista brasileiro que faz sucesso, ao que Perón respondeu: “Bueno, es verdad que hace éxito, pero el Negro Belico es de nosostros”. O sucesso de “La voz de Brasil em Buenos Aires” – só cantava em português – levou Léo Belico por toda América do Sul, inclusive Colômbia onde chegou a ter que pedir escolta policial para locomover-se.

Com saudades do Brasil, Léo Belico regressou em agosto de 1960, aos 35 anos de idade. A partir daí faria apenas temporadas na Argentina. Irrequieto, ainda participou de programas na rádio Record de São Paulo e na mítica Nacional do Rio de Janeiro na qual apresentava-se sempre no programa do lendário César de Alencar, convivendo com os astros e estrelas da época: Marlene, Emilinha, Ângela Maria, Lúcio Alves, Jorge Veiga, Jorge Goulart, maestro Chiquinho e os irmãos Cyl e Dick Farney, entre outros tantos.

Ao lembrar a época, Léo Belico tenta disfarçar um pequena lágrima que corre do olho esquerdo. “É o tempo que esquece da gente, substituídos por isso que a TV mostra e o rádio toca hoje em dia. Músicas grosseiras, com palavras chulas. É o sucesso de hoje...”, lamenta Belico, talvez com saudades de uma época na qual apenas apresentava-se o artista bem trajado e que tivesse, realmente, qualidade. A mesma qualidade que levou o endereço do brasileiro – Tucumán, 320 – a tornar-se uma espécie de embaixada da cultura musical brasileira na capital argentina.

CURIOSIDADES

  • UMA SINFONIA DE BELO HORIZONTE
“Com a ida de Leo Belico para Buenos Aires, em abril de 51, o conjunto “Terceto Aymoré” se desfez. Leo viajou à Argentina de férias com um grupo de cantores mineiros, entre os quais as irmãs Neide e Nanci.

Numa noite, no Tabaris, boate elegante que ficava na Avenida Corrientes, ele foi apresentado pelos companheiros como um grande cantor de música popular. Subiu ao palco e cantou sob aplausos. Na platéia, estavam dois casais de brasileiros e um se aproximou do Leo para cumprimentá-lo e saber se ele não se interessaria em tentar o rádio na Argentina:

- Tenho um amigo que é diretor da rádio El Mundo – disse-lhe o novo admirador.

– Procure-me na embaixada brasileira, onde trabalho.

Leo levou a sério a oferta. Foi à embaixada e de lá saiu com um cartão apresentando-o a um almirante que dirigia a El Mundo (era a época de Perón, que colocou militares em várias funções civis). Fez um teste na emissora e, aprovado, ficou 11 anos na Argentina, cantando com enorme sucesso lá e em outros países sul-americanos. O nome do seu benfeitor era Arthur da Costa e Silva, então adido militar em Buenos Aires. Entre 1966 e 70, foi presidente-ditador do Brasil”. (AQUI - Jornal WebMinas - Sebastião Nery, Jornalista e escritor, escreve no Jornal WebMinas às terças, quintas e sábado.)

*A Música "Triste Regresso", interpretada por Leo Belico listou entre as 100 mais tocadas em 1961.



* Leo Belico participou do LP "Zerado" - Encontro com Dorival Caymmi (1967) interpretando a música "Maracangalha" (Leo Belico – Maracangalha (Samba, RCA Victor 80.1733B, 1957).



Participaram também da gravação Dorival Caymmi com "A lenda do Abaeté", "Saudades de Itapuã", "Sodade Matadeira"; Nelson Gonçalves com "Dora" e "Marina"; Angela Maria com "Nem eu..."; Miltinho com "Rosa Morena"; Ivon Cury com "Romances de Caymmi"; Titulares do Ritmo com "Samba da Minha Terra"; Trio do Fafá com "Saudades da Bahia".

*LEO BELICO acompanhado de Roberto e Sua Orquestra gravou, na Argentina, músicas de Ary Barroso, Herivelto Martins; João de Barro, Luiz Gonzaga, são elas: Juazeiro, Sansão e Dalila; Forasteiro e Cabelos Brancos.



01 - Faustina (Maizitelli-Molé)
02 - Esta noche sereno (Cordovil)
03 - Sassaricando (L.Antonio-Zá María-O.Magalhaes)
04 - Donna do mundo (Rizzo-Milano-Belico-Videla)
05 - Voy a bailar hasta que amanezca (Laura Maia)
06 - Pájaro enjaulado (Hervé Cordovil - Mario Vielra)
07 - Venganza (L. Rodriguez)
08 - Ana María (Soberano-Bichera)
09 - Me deixa en paz (M.C. Menezes - A. Amorín)
10 - Peixe vivo (Páez- H. de Almeida)
11 - Adeus América (Barboso - Jacques)
12 - Canción del vaquero (Luis Bonfá)
13 - El delegado quiso prender a Antonio (Lobo-M de Oliveira)
14 - Baión de Copacabana (Barboso - Lucio Alves)

FONTE

NEFELIBATA DE ATALAIA

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Diário da Música ♪♫: Zezé Motta


Diário da Música ♪♫: Zezé Motta - A cantora Zezé Motta apresentou-se ontem no palco do Teatro Alberto Maranhão (TAM); e hoje, a "cantriz" se apresenta no Kiko's Eventos. Em Natal e Mossoró, Zezé Motta apresenta seu CD Negra Melodia.

A atriz, cantora e militante Zezé Motta foi homenageada, em 2009, com a Medalha de Honra ao Mérito Zumbi dos Palmares. Considerada uma das mais importantes militantes negras na articulação nacional, Maria José Motta de Oliveira tem criado uma maior projeção no tocante à expansão da cidadania social da população afro-brasileira.

Nascida em Campos (RJ), atriz e cantora brasileira, conhecida como Zezé Motta é militante do movimento negro, presidente de honra do CIDAN (Centro de Informação e Documentação do Artista Negro) atriz e cantora é hoje superintendente da Igualdade Racial do governo do Rio de Janeiro. Uma mulher que não se cansa de trabalhar e militar pela igualdade de gênero e etnia.

A carreira de cantora da atriz Maria José Motta começou em 1971 quando ela começou a se apresentar como crooner das casas noturnas Balacobaco e Telecoteco em São Paulo. Em 1975, gravou, com Gerson Conrad, o LP Gerson Conrad e Zezé Motta. De 1975 a 1979, lançou três LPs. Nos anos 1980, lançou mais três discos. O mais recente foi gravado este ano e se chama Negra Melodia.

Na carreira de cantora, consta na biografia do Dicionário Cravo Álbum da Música, sucessos da "cantriz" os seguintes destaques: Dores de amores e Magrelinha, canções de Luiz Melodia, Trocando em miúdos (Chico Buarque e Francis Hime), Prazer Zezé (Rita Lee e Roberto de Carvalho), Crioula (Moraes Moreira) e Senhora Liberdade (Wilson Moreira e Nei Lopes).



  • Você Sabia?
*A atriz, cantora e militante Zezé Motta foi homenageada, em 2009, com a Medalha de Honra ao Mérito Zumbi dos Palmares já atuou em filmes com Xuxa três vezes. O último foi "O Mistério de Feiurinha" (2009), já visto por mais de 1 milhão de pessoas nos cinemas; com direção de Tizuka Yamazaki, o filme é uma adaptação do livro: "O Fantástico Mistério de Feiurinha", de Pedro Bandeira.

*Zezé Motta contracenou com Tatyane Goulart, na minissérie "Cinquentinha", de Aguinaldo Silva (2009).

*Em 2009, a atriz, cantora e militante política Zezé Motta foi agraciada com um Troféu Raça Negra pelo Conjunto da obra de sua carreira.

*Zezé Motta compareceu à abertura do 3° Encontro do Cinema Negro Brasil, África e Américas/2009, no Centro Cultural da Justiça Federal (CCJF), no Centro do Rio de Janeiro.

*Zezé Motta foi destaque da Mocidade Independente de Padre Miguel no Carnaval 2010.

*Zezé Motta cantou "Senhora Liberdade", com Paulinho da Viola, no especial "Grandes Nomes", da TV Globo (anos 80).


*Em janeiro de 2010, Zezé Motta participou do 5º Festival de Atibaia Internacional do Audiovisual.

*Zezé Motta participou do Circuito Real Rotação - Festival de Música Negra (Salvador - Janeiro/2010). Ela foi entrevistada no "Conversa Afinada", um Talk Show do evento, com o tema "Cultura Negra Dá Dinheiro? Para o bolso de Quem?", juntamente com Pestana (editor chefe da Revista Raça), o cantor Dão, o ativista Gilberto Leal, o publicitário Paulo Rogério do Instituto de Mídia Étnica e o empresário Mário Nelson.

*Em 1968, Zezé Motta participou do musical "A Moreninha", ao lado da amiga Marília Pêra. Zezé também participou do LP da peça, cantando a música "Cafuné", com Gésio Amadeo.

*Em 1989, Zezé Motta participou da novela "Kananga do Japão", de Wilson Aguiar Filho - uma produção da TV Manchete, exibida de 19 de julho de 1989 a 25 de março de 1990, em 208 capítulos.

*Em 1989, Zezé Motta participou da novela "Pacto de Sangue" (TV Globo), de Regina Braga e com direção de Herval Rossano.

*Zezé Motta, que interpretou Maria na novela "Pacto de Sangue", participou da trilha da novela cantando a música "Histórias e Lendas". A cantriz também apareceu na capa e na contra-capa do LP.

*Zezé Motta participou da homenagem que a gravadora Lua Music preparou a Ataulfo Alves (1909 -1969), autor de: Na Cadência do Samba, Mulata Assanhada, Ai, que Saudade da Amélia, entre outros clássicos de nosso cancioneiro, cantando o samba "Cabe na Palma da Mão", de 1967. Ataulfo Alves - 100 Anos reúne regravações de 34 músicas do compositor, agrega nomes da velha guarda da MPB, e traz artistas da cena contemporânea.

*Em 1978, Zezé Motta atuou no filme "Tudo Bem", de Arnaldo Jabor. Estrelado por Fernanda Montenegro e Paulo Gracindo, "Tudo Bem" é uma comédia que retrata uma família da classe média carioca enquanto convive com os operários que realizam uma reforma em seu apartamento, localizado em Copacabana.

*Em 2000, Zezé Motta lançou o CD "Divina Saudade", interpretando o repertório de Elizeth Cardoso (1920-1990), com arranjos e produção musical de Roberto Menescal e Flávio Mendes.

*A estreia de Zezé Motta no cinema ocorreu em 1970, no longa "Em Cada Coração um Punhal", de José Rubens Siqueira e João Batista de Andrade.

*Zezé participou do episódio “Transplante de Mãe”, com direção e roteiro de Sebastião de Souza. O episódio, baseado na canção "Coração Materno" (lançada por Vicente Celestino e regravada por Caetano Veloso), tinha montagem de Glauco Mirko Laurelli, música de Rogério Duprat, e contava também no elenco com John Herbert, Etty Fraser e Liana Duval.

*A estreia de Zezé Motta no teatro profissional não poderia ser mais marcante: em janeiro de 1968, ela integrou o coro do musical "Roda Viva", escrito por Chico Buarque e dirigido por José Celso Martinez Correia.

*A obra "Solistas Dissonantes: História (Oral) de Cantoras Negras", de Ricardo Santhiago, apresenta histórias orais de treze cantoras negras brasileiras: Adyel Silva, Alaíde Costa, Arícia Mess, Áurea Martins, Eliana Pittman, Graça Cunha, Ivete Souza, Izzy Gordon, Leila Maria, Misty, Rosa Marya Colin, Virgínia Rosa e Zezé Motta.



 
FONTE

Diário de Natal

Diário da Música ♪♫: Zezé Di Camargo & Luciano


Diário da Música ♪♫: Zezé Di Camargo & Luciano - Comemorando 20 anos de carreira, a dupla Zezé & Camargo e Luciano apresentou nesta terça-feira (13/09), em São Paulo, o show de gravação de seu DVD de duas décadas de sucesso no Golden Hall, em São Paulo. Iniciando com a participação especial de Paula Fernandes, cantando a música Meu Eu e Você, Zezé Di Camargo & Luciano começou sua comemoração com dançarinos no trapézio na inédita Nós Chegamos Pra Cantar.

Logo no começo seu Francisco, pai da dupla sertaneja, disse que o momento mais importante da carreira da dupla foi o sucesso de É o amor, sucesso de 1991. "Não tem o que falar, É o Amor é o grande orgulho da família. Escuto até hoje no meu carro", disse.


Com um show produzido em um palco redondo e com as músicas bem ensaiadas, Luciano, de chapéu, e Zezé Di Camargo, de camisa branca e jeans, seguiram com Pra Mudar a Minha Vida, A Ferro e Fogo, e Pra Não Pensar em Você.

Entre uma música e outra, Zilú, mulher de Zezé Di Camargo, disse que o momento mais marcante da dupla foi filme 2 Filhos de Francisco: "toda essa produção, tudo cada vez melhor, é uma grande vitória que começou com o filme. Pouquíssimas pessoas fazem parte da música brasileira como Zezé Di Camargo & Luciano fizeram nos últimos 20 anos".

Sem grandes surpresas, mas agitando o público presente, a comemoração dos 20 anos de carreira de Zezé Di Camargo & Luciano seguiu com as inéditas Sonho de Amor, Criação Divina, Portas e Janelas, Eu Quero é Mais, Mentes tão Bem, Eu Tô na Pista Eu Tô Solteiro...


  • Setlist
Meu Eu e Você
Nós Chegamos Para Cantar
Pra Mudar Minha Vida
A Ferro e Fogo
Pra Não Pensar em Você
Tão Linda e Tão Louca
Fechou o Tempo
Coração está em Pedaços
Na Hora H
Meu Nenêm, Meu Bebê, Minha Vida
Toma Juízo
Preciso Ser Amado
Sonho de Amor
Labirinto
Mentes tão Bem
Criação Divina
Menina Veneno
Portas e Janelas
Diz Pro Meu Olhar
Em Algum Lugar Do Passado
Vivendo Por Viver
Sem Medo de Ser Feliz
Telefone Mudo / Ainda Ontem Chorei De Saudade
Eu Quero É Mais
Dois Corações e Uma História
É o Amor
Eu tô na Pista Eu tô Solteiro
Mexe Que É Bom
Você Vai Ver


FONTE

site
Terra

domingo, 11 de setembro de 2011

Sá e Guarabyra


A atração especial da Noite da Seresta do mês de aniversário de Campo Grande será a dupla Sá e Guarabyra. A dupla formada em 1973, pelos compositores e cantores Luíz Carlos Pereira de Sá e Guttemberg Nery Guarabyra Filho, fez grande sucesso nas décadas de 1970 e 80, com as canções Dona e Espanhola (esta última composta com Flávio Venturini, em 1976).


O evento acontece hoje às 19h30, com apresentação da Banda de Música Municipal Maestro Ulisses Conceição", que completa 35 anos. A Noite da Seresta é realizada pela Prefeitura de Campo Grande, por meio da Fundação Municipal de Cultura (Fundac).

O primeiro sucesso de Guttemberg Guarabyra veio em outubro de 1967, quando fica em primeiro lugar no Festival Internacional da Canção com a música Margarida apresentada com o Grupo Manifesto, do qual fazia parte. Já Luiz Carlos Sá teve seu primeiro grande sucesso gravado por Peri Ribeiro em 1966, "Giramundo".
Sá e Guarabira - Pássaro

A banda já realizou mais de 1800 apresentações. Grandes músicos que fizeram parte da banda hoje se apresentam com bandas de outras entidades como a da Base Aérea, da Marinha, do Exército e da Polícia Militar.

Sá, Rodrix & Guarabyra - Me Faça um Favor (LP "Passado Presente Futuro")

Serviço - A Concha Acústica Família Espíndola fica na Praça do Rádio Clube entre as Ruas Afonso Pena, Padre João Crippa, Pedro Celestino e Barão do Rio Branco. O 35º aniversário da Banda Maestro Ulisses Conceição será às 19h30 e a Noite da Seresta - especial Campo Grande 112 anos - Sá e Guarabyra, às 21h.

Sobradinho - Sá, Rodrix & Guarabyra

Sá e Guarabyra eram artistas solo até os dois formarem, juntamente com Zé Rodrix (que antes era do grupo Som Imaginário), a banda de rock rural Sá, Rodrix & Guarabyra, que alcançou o sucesso a partir de 1971, gravando dois LPs pela Odeon — Passado, presente e futuro e Terra — e se apresentaram, em julho de 1972, em um espetáculo no Teatro Opinião, no Rio de Janeiro, seguido de espetáculos e aparições na televisão. Nessa época, Sá e Guarabyra receberam prêmios de publicidade pelo jingle Só tem amor quem tem amor pra dar, criado para a Pepsi.

Em 1973, Zé Rodrix separou-se do grupo, e então a formação passou a ser Sá & Guarabyra em definitivo. Gravariam ainda pela Odeon os LPs Nunca (1973) e Cadernos de viagem (1975).

A dupla fez grande sucesso nas décadas de 1970 e 80, com as canções Dona e Espanhola (esta última composta com Flávio Venturini, em 1976).

Em 2001 houve o retorno de Zé Rodrix, gerando o primeiro DVD do Trio: "OUTRA VEZ NA ESTRADA" e em 2009 o lançamento do quarto disco reunindo o Trio: "AMANHÃ".

FONTE

wikipédia

CORREIO DO ESTADO

sábado, 10 de setembro de 2011

Diário da Música ♪♫: Nashville


Diário da Música ♪♫: Nashville - Formada em 1998, a banda Nechivile ganhou projeção nacional com o sucesso da música "Vem me Amar", sendo convidada a participar do programa “Jovens Tardes”; Programa do Gugu, e Raul Gil...

Em 2010 a banda voltou a usar o nome Nashiville.


Formada em 1998 por Eduardo Melo, Léo di Castroe Júnior Melgaço, a banda surge com diferencial e inovação no sertanejo universitário, atraindo desde então o público jovem. A grande aceitação dos CDs e DVDs gravados, os muitos pedidos de músicas nas rádios e o grande público nos shows comprovaramo sucesso crescente.

Nashville tem participado de grandes eventos no país, com shows à altura. As apresentações cresceram em escala, tanto em estrutura como em público. O grupo também passou a comparecer nos veículos de comunicação de escala nacional como rede Globo, Bandeirantes e SBT.

Em nova fase e com parcerias importantes em 2010, Nashville realizou uma mega produção para a gravação do 3º DVD na cidade natal de Eduardo Melo, Morrinhos/Goiás, contando com mais de 25.000 pessoas. Muitas músicas novas como: “Você Vai Ficar em Mim”,”Onde está você”, “Sexto Sentido”, "Mexe comigo".

Estamos felizes da vida, com projetos novos e muitas novidades para contar aos nossos fãs”, disse Eduardo. “Estamos mais fortes ainda nessa fase, com músicas inéditas e de excelente qualidade e um repertório muito bom, se não, o melhor de nossa carreira”, completou.

Eu e Você Nunca Mais - Nashville (2010 - Som Livre)

Os goianos estão cumprindo extensa agenda de shows em diversos estados brasileiros, sempre com casa lotada. Os músicos atribuem tamanho sucesso ao repertório inovador, que inclui músicas mais dançantes, tais como: “Chora Coração”, Mexe Comigo” e “Fast Food”, além da canção "Você Vai Ficar Em Mim” que intitula o DVD.


FONTE

SITE

portal nashiville

Diário da Música ♪♫: Guilherme & Santiago


Diário da Música ♪♫: Guilherme & Santiago - Em outubro de 2009, Guilherme & Santiago gravaram seu terceiro DVD ao vivo, na Red Eventos, em Jaguariúna, no interior de São Paulo. O álbum, produzido pela HRP Promoções Artísticas e lançado em 2010 pela Som Livre, recebeu o título "Tudo Tem Um Porquê" e fez um sucesso estrondoso.

A primeira música que estourou nas rádios foi "E daí?", que ficou mais de quatro meses no topo das paradas de sucesso. A segunda música que também fez enorme sucesso foi "Tá se achando", que foi inserida na trilha sonora de Malhação 2010 da Rede Globo.


Depois, outras músicas do álbum também viraram sucessos nacionais, como "Que dá vontade dá", "Solteiro sim, sozinho nunca", "Mete sua boca", "Safada, cachorra, bandida" e a faixa-título "Tudo tem um porquê", que virou tema da novela Morde & Assopra, da Rede Globo.


Pensando bem, não me arrependo do que fiz
Tudo valeu, por um momento fui feliz
Mas não faz mal
Na vida tudo tem um porque
Deixei, me levar
por você, por você

Foi de repente, você voltou
Foi como um raio que já passou
Foi como a lua, solta no ar
Que ilumina e volta apagar
Eu sei, eu sei
Que um dia, vou te encontrar
Outra vez

Pensando bem, não me arrependo do que fiz
Tudo valeu, por um momento fui feliz
Mas não faz mal
Na vida tudo tem um porque
Deixei, me levar
por você, por você

Foi de repente, você voltou
Foi como um raio que já passou
Foi como a lua, solta no ar
Que ilumina e volta apagar

Foi de repente, você voltou
Foi como um raio que já passou
Foi como a lua, solta no ar
Que ilumina e volta apagar
Eu sei, eu sei
Que um dia, vou te encontrar
Outra vez
Outra vez
Outra vez…

O álbum também foi lançado em CD, o décimo quarto disco de Guilherme & Santiago. Ainda em 2010, a dupla foi convidada para participar do Goiânia Country Folia, um dos principais eventos de Goiás. O show de Guilherme & Santiago foi realizado em setembro de 2010, em cima de um trio elétrico, que serviu de palco para a apresentação da dupla.

Este show foi gravado e deu origem ao quarto DVD de Guilherme & Santiago: "Elétrico - Ao Vivo No Trio", lançado no dia 4 de abril de 2011 pela Som Livre. Cantando para milhares de pessoas na capital goiana, Guilherme & Santiago interpretaram grande parte do repertório do DVD anterior, além de outros sucessos de discos anteriores.


A dupla ainda lançou uma música inédita: "Predadora". Além do DVD, este show também foi registrado em CD, o décimo quinto disco da dupla. No dia 20 de dezembro de 2010, Guilherme & Santiago anunciaram, por meio de um comunicado, o fim da parceria com a HRP Promoções Artísticas e com o empresário Hamilton Régis Policastro, devido a um encerramento de contrato.

CURIOSIDADES

No dia 1º de abril de 2007, Guilherme & Santiago se tornaram apresentadores do programa Terra Nativa, na Rede Bandeirantes. O programa era exibido nas noites de sexta-feira, às 22h. Reunia as vertentes da música sertaneja e contava com Aline Lima, filha do cantor Chitãozinho, como repórter especial, apresentando informações sobre shows, rodeios, festas de peão, além de cobertura desses eventos.

Um dos quadros que o Terra Nativa apresentava foi o "Porteira da Fama", em que os concorrentes podiam mostrar qualquer habilidade ou talento relacionado ao mundo sertanejo, abrindo espaço para artistas iniciantes. Outro quadro de grande sucesso foi o reality show "Country Star", onde milhares de pessoas em todo o país se inscreveram para tentar realizar o sonho de serem cantores sertanejos.

O Country Star teve duas edições: a feminina, em 2007, que revelou a cantora Nathalia, e a masculina, em 2008, que revelou o cantor Leovander. O Terra Nativa foi ao ar durante dois anos, com grande audiência em todo o país. O último programa foi exibido no dia 10 de abril de 2009.

FONTE

WIKIPÉDIA

Diário da Música ♪♫: Gian e Giovani

Diário da Música ♪♫: Gian e Giovani - Em 2009, Gian e Giovani participaram da gravação do  DVD "Um Barzinho, Um Violão-Sertanejo", lançado pela Sony Music, cantando a música "Nem Dormindo Consigo Te Esquecer". Do show, que foi gravado na Arena Country (SP), participaram artistas como Hugo & Tiago, Grupo Tradição, Fafá de Belém, João Bosco e Vinicius, Guilherme e Santiago, entre outros.


Em agosto de 2009, a dupla  Gian e Giovani lançou o CD Gian e Giovani. A música “Se é Amor”, carro-chefe do ábum, tornou-se sucesso e campeã de execuções em todas as rádios do Brasil.


Em março de 2010, a dupla participou do especial “Emoções Sertanejas”, da Rede Globo de Televisão, que teve como objetivo comemorar os 50 anos de carreira de Roberto Carlos. Gian & Giovani levantaram o público com a canção “Eu Te Amo, Te Amo, Te Amo”, clássico do rei, que na nova versão, passou a ser mutio pedida nas rádios pelo país afora.



O programa, recebeu como convidados, em um mega-show, no ginásio do Ibirapuera em São Paulo, grandes nomes da música brasileira como Bruno & Marrone, César Menotti & Fabiano, Chitãozinho & Xororó, Daniel, Dominguinhos, Elba Ramalho, Leonardo, Martinha, Milionário & José Rico, Nalva Aguiar, Paula Fernandes, Rio Negro & Solimões, Roberta Miranda, Sérgio Reis, Victor & Léo e Zezé di Camargo & Luciano Também participou do evento a atriz Déborah Seco, como apresentadora.

No mesmo ano, Gian e Giovani participaram das comemorações de aniversário de duas Rádios: a Cultura FM e a Rádio 97 FM.

Com um pouco mais de 22 anos de carreira e 17 álbuns lançados, incluindo um CD e DVD “Uma História de Sucesso”, é possível dizer que Aparecido e Marcelo, ou melhor, que Gian & Giovani são um grande exemplo de verdadeiros vencedores.

FONTE

DICIONÁRIO MPB

Diário da Música ♪♫: Fernando e Sorocaba


Diário da Música ♪♫: Fernando e Sorocaba - Em 2009, Fernando & Sorocaba lançaram o álbum Vendaval. Ainda em 2009, a dupla estreiou na Som Livre com Fernando & Sorocaba – Acústico.

O projeto acústico era um sonho antigo da dupla Fernando & Sorocaba. Atendendo aos pedidos dos fãs, a dupla resolveu lançá-lo em paralelo ao seu terceiro trabalho ao vivo, "Vendaval". Gravado em um estúdio de TV em São Paulo, o show foi integralmente captado por câmeras de alta definição (full HD) e contou com 4 músicas inéditas: "A Casa Caiu", "Até o Final", "Celebridade" e "Madri", a música mais pedida pelos 70 fãs presentes na gravação.


Os outros destaques do espetáculo ficaram por conta das canções: "Chevetão", uma composição irônica em estilo new country que narra o envolvimento com uma "Maria Gasolina", e o maior hit da dupla, "Paga Pau".

Juliana / Força de um Furacão / Estrela Solitaria (DVD Acústico 2010).


O espetáculo acústico contou ainda com a participação especial da dupla João Neto & Frederico na música "Delegada", hit já estourado em todo o Brasil.

Em agosto de 2010, a dupla gravou o terceiro DVD da carreira, na cidade de Campina Grande do Sul, região metropolitana de Curitiba com o apoio do produtor Francisco Sabella. A maioria das canções da dupla em todos os trabalhos são de Sorocaba, que também compõe para outros cantores – a exemplo de "Meteoro" e "Você não Sabe o que É Amor", hits na voz de Luan Santana.

Os dois compartilham não apenas o sucesso, mas também o nome de batismo. Ambos se chamam Fernando. O primeiro, nascido em Ji-Paraná (RO), roubava o violão do avô aos sete anos para mostrar seu talento. Aos 15, deixou sua cidade natal para tentar a carreira musical em Cuiabá (MT). Já o outro Fernando recebeu o apelido Sorocaba por se dividir entre a capital de São Paulo e a cidade do interior que carrega em seu nome. Também foi o avô o responsável por seu gosto musical: aos 11 anos ganhou dele seu primeiro violão.

Sorocaba mudou para Londrina, onde cursava faculdade de Agronomia, e lá alcançou o reconhecimento com suas composições. Foi nesta cidade do Paraná que os xarás se conheceram e resolveram formar uma dupla sertaneja. A consagração chegou com o lançamento do CD e DVD Bala de Prata, em 2008.

O show que deu origem ao primeiro trabalho da dupla contou com um público de 10 mil pessoas, em Santa Fé (PR). No ano seguinte, lançaram o também CD e DVD Vendaval. Agora, a dupla estréia na Som Livre com Fernando & Sorocaba – Acústico.

Dupla lança terceiro DVD da carreira, gravado na maior arena coberta do Brasil

No dia 21 de agosto a dupla Fernando & Sorocaba subiu ao palco da maior arena coberta da América Latina, situada em Campina Grande do Sul, região metropolitana de Curitiba, acompanhada de convidados especiais e mais de 35 mil pessoas para gravar seu novo trabalho: o CD e DVD Bola de Cristal. Lançado agora pela Som Livre, o terceiro DVD e quarto CD dos amigos, juntos há quatro anos, emocionou o público, que cantou as músicas e fez um show à parte.

No repertório estão grandes sucessos e inéditas, onde, com exceção de "Vê Se Para Com Essa Marra", de Rangel Castro, todas são da autoria de Sorocaba, que se destacou como compositor em 2010, sendo o segundo maior arrecadador de direitos autorais de acordo com o ECAD.

Entre as músicas já conhecidas pelo público estão "Paga Pau", sucesso das rádios em 2009, "A Casa Caiu", "Celebridade", "Delegada", "Até o Final", "Que Raiva que Dá/ Da Cor do Pecado", "Joga no Lixo", e "Madri", canção embalada por Fernando que conquistou o Brasil e o mundo e abriu as portas para que a dupla realizasse seu primeiro show na Europa no ano passado.

Madri

Com mais de um milhão de acessos no canal oficial da dupla no Youtube - antes de seu lançamento -, "Teus segredos" é o primeiro single, inédito, deste novo DVD, que também apresenta ao público "Tô Passando Mal", "Por Que Tá Comigo" e "Me Engana".

Teus segredos

Tô Passando Mal

Na mesma linha de novidades, "Desorientado" e a faixa título "Bola de Cristal" são de Sorocaba em parceria com Marco Aurélio.

Fernando e Sorocaba receberam convidados especiais que incrementaram ainda mais a noite, como a dupla Henrique & Diego canta "Vacilei", enquanto Thaeme, vencedora do programa Ídolos de 2007, leva "6 de Janeiro de 2003" e o cantor Edson marca presença na música "Boca a Boca".

Além das 18 faixas do CD, o DVD ganhou mais três: um pot-pourri de "Bala de Prata/ Vem Ficar do Meu Lado/ Noite Enluarada/ Luz da Minha Manhã /Volta Lá pro seu Lugar", "A Louca" e "Juliana/ Força de um Furacão/ Estrela Solitária", canções que encerram o repertório capaz de agradar gregos e troianos, com baladas românticas, músicas animadas e divertidas, que levaram o nome da dupla do norte ao sul do país – passando pelo sudeste e outras praças que não conseguiram resistir ao gênero, que agora veio para ficar.

Aliando dinamismo, novos instrumentos (como banjo e percussão) e um cenário assinado por ninguém menos que Zé Carratu, Bola de Cristal promete fazer deste o maior DVD da carreira da dupla Fernando e Sorocaba.


Discografia

2006 - Ao Vivo em Londrina
2008 - Bala de Prata Ao Vivo
2009 - Vendaval Ao Vivo
2010 - Acústico
2011 - Bola de Cristal Ao Vivo

Videografia

2008 - Bala de Prata Ao Vivo
2010 - Acústico
2011 - Bola de Cristal Ao Vivo



Fernando & Sorocaba, em entrevista exclusiva à Contigo! contam como se tornaram um fenômeno da música - o segredo é falar uma linguagem mais jovem...

"Você está querendo eu? Eu também estou te querendo. Pega eu, leva eu, chama eu, que eu vou correndo.” O refrão da música Pega Eu tem sido o lema de Fernando & Sorocaba. “É só chamar que a gente vai facinho”, brinca Fernando Fakri de Assis, 30 anos, o Sorocaba, que, apesar de ter nascido em São Paulo, ganhou o apelido por frequentar a cidade desde pequeno.



Super-requisitada e com a agenda repleta de shows, a dupla dedica todo o tempo para fazer a carreira dar certo. “Não viemos para brincar”, avisam, em coro, os cantores durante entrevista exclusiva para a CONTIGO!. O “projeto’ – como costumam se referir à dupla – surgiu há cinco anos quando Sorocaba e Fernando Zorzanello Bonifácio, 27, de Ji-Paraná (Rondônia), foram apresentados por um amigo em comum.

A empatia entre os dois foi imediata. Além do mesmo nome de batismo, eles descobriram que também tinham uma paixão incondicional pela música. Com apenas três anos de estrada, o “projeto” é um sucesso. Para se ter uma ideia, os videoclipes da dupla têm mais de 90 milhões de acessos na internet.


Na verdade, o segredo de Fernando & Sorocaba é falar uma linguagem mais jovem, com direito a gírias da moda. “Sabemos qual é o papo, o que está rolando e o que querem ouvir. Perguntamos ‘qual é que é?’, falamos que a mulher tá ‘pagando pau’... Quem já não falou isso um dia?”, questiona Sorocaba, que compôs alguns dos principais sucessos do cantor Luan Santana, 20, como Meteoro, Adrenalina, Você Não Sabe o Que É Amor e Um Beijo.

Já Fernando acredita que o melhor da dupla é encarar o trabalho com profissionalismo. “Temos diferencial vocal, de arranjo e na produção dos shows”, enumera. A impressão que se tem é que eles administram a carreira como uma empresa, em que se tem as funções muito bem determinadas.

Sorocaba cuida das composições, escolha de repertório e Fernando se dedica mais aos arranjos e às gravações. A “pegada jovial” também é levada para os shows, que tem direito a muita pirotecnia, gruas e bolhas gigantes de plástico. Eles ainda cantam alguns sucessos internacionais como Black Eyed Peas (I Gotta Feeling), Yolanda Be Cool – We No Speak Americano, além de axé music e pagode.




FONTE

Revista Contigo

site